quarta-feira, 9 de maio de 2012

Módulo 12 - Higiene e segurança nas escolas

Na unidade dois e três, tivemos a presença da nutricionista Paula Navarro de Oliveira, a qual palestrou sobre higiene na educação e na alimentação e higiene corporal. Sua palestra foi riquíssima para os cursistas de infraestrutra e manipulação de alimentos. O objetivo do módulo XII é levar os funcionários a refletirem sobre a higiene e a segurança na escola e sobre seu papel na construção de uma escola onde educador e educandos primem pela higiene pessoal e do ambiente, para que se sintam responsáveis pela cultura de paz nas escolas, comunidades e consigo mesma. Na primeira aula falamos de higiene, construção histórica do conceito. Neste contexto ficou claro, como foi o modo de vida das pessoas do século XIV, quando a peste bubônica afetou 25% da população, onde no verão a cidade foi marcada pelo forte cheiro dos esgotos e odor das lepras, que envolveu o costume de perfumes fortes. No entanto a origem de que os perfumes franceses são os melhores, não trás boas lembranças. Pois até a rainha Isabella tinha orgulho de ter tomado apenas dois banhos um quando nasceu outro quando se casou. Neste estudo banho era novidade para o ser humano. No Brasil os portugueses chegaram com seus costumes de não tomar banhos todos os dias, mas com a convivência dos índios, foram se adaptando e hoje os brasileiros têm outra cultura. Na segunda aula estudei higiene e educação, e que a falta de higiene em certos locais de trabalho pode causar a interdição desse setor e até a demissão do responsável por este. A lei permite que sejam aplicadas multas aos proprietários e prevê também o pagamento de indenizações as vitimas. Na terceira aula o conteúdo foi higiene no trabalho do funcionário. Onde apontou os limites para que possamos ser instrumento no trabalho más, que sejam protegidos com equipamentos obrigatórios. Foi pedido em primeiro lugar higiene pessoal, pois a OMS ( Organização Mundial da Saúde), define a saúde como um estado de bem estar físico mental e social, não apenas doença e enfermidades. Se enfermidade é violência a saúde, a higiene é uma das armas para o combate. Na unidade quatro foi abordada a segurança na escola, hoje mais presente que nunca, no cotidiano atormentando dia e noite nossa sociedade. Diante desses obstáculos a sua segurança, o homem defende domina e tenta disciplinar a si próprio. Na unidade cinco foi segurança na sociedade em comunidade, onde diz que as violências sociais foram construídas historicamente em seus tempos de origem, como por exemplo, a escravidão uma das violências de forma verbal e física mais grave para o ser humano. O estudo deixa claro que a desigualdade é uma das formas mais violentas que abrange a sociedade, os mais poderosos sempre tirando dos mais frascos. Segurança hoje é só para quem pode pagar. O estudo mostrou que a ditadura foi uma forma de violência que marcou o Brasil de 1937à 1945 quando não houve segurança para a sociedade da época. A unidade seis foi mostrada também segurança na escola com três conceitos: a disciplina escolar, o vandalismo e a segurança na escola. Isto significa punir tendo visão, pois as escolas públicas mostram o resultado e por fim uma tentativa para obter solução. Na unidade sete a segurança no trabalho recordou como foi a segurança dos padres, em seus ensinamentos em suas casas. Hoje em todos os eventos públicos e privados há segurança. O resultado de tudo isso, foi o comprometimento da saúde e da segurança do trabalho que foi objeto de uma pesquisa do Instituto de psicologia da Universidade de Brasília. A OIT é o órgão mais acreditado para lidar com as questões da segurança do trabalho. Quanto a isso, podemos levantar demandas e formular perguntas concretas em suas necessidades específicas. Na unidade oito foi esclarecido sobre o estudo da criança e do adolescente. Que é dever da família, sociedade e do Estado assegurar e dar prioridade a saúde, alimentação, educação e lazer para eles além de profissionalizá-los, colocá-los a salvo de todas as formas de negligências, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. No artigo 227 da Constituição podemos conferir isto na lei nº 8.069 de 1990 – ECA considera a criança a pessoa até doze anos de idade incompleta e adolescente a pessoa compreendida entre a faixa etária de doze a dezoito anos. Já no artigo 60 diz que é proibido qualquer tipo de trabalho a menores de 14 anos. O artigo 81 proíbe a venda de armas de fogo, munições, explosivos e bebidas alcoólicas, produtos que possa causar algum tipo de dependência física, psíquica também é vedada a venda de publicações que aludam o artigo 78. Curso infraestrutura - Marivalda Lopes de Araujo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário